sexta-feira, 25 de maio de 2018

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 27


A Sociedade Esportiva e Recreativa São Gabriel foi uma agremiação da cidade de São Gabriel no estado do Rio Grande  do Sul. O ressurgimento do futebol profissional em São Gabriel, aconteceu sob a liderança do radialista e jornalista Domingos Olímpio Rivas, quando foi Fundado na terça-feira, do dia 1º de Maio de 1979, as suas cores era o verde, vermelho e branco. Ao todo, o SER São Gabriel participou uma vez do Campeonatos Gaúcho da 1ª Divisão, em 1981; já no Campeonatos Gaúcho da 2ª Divisão, foram 10 participações: 1979, 1980, 1982, 1984, 1985, 1986, 1987, 1988, 1989, 1990 e 1992; e uma vez no Campeonatos Gaúcho da 3ª Divisão, em 2000. Em 1980, um ano após ser fundada a S.E.R. São Gabriel conseguiu o grande feito de subir para a Elite do Futebol Gaúcho. No dia 29 de novembro, no Estádio Silvio de Faria Corrêa derrotou o F.B.C. Rio-Grandense, de Rio Grande por 2 a 0, gols de Cigano e Duira. Antes, havia perdido em Rio Grande por 1 a 0. Com isso a decisão foi para os pênaltis, com vitória da S.E.R São Gabriel e a conseqüente classificação junto com o Armour F.C., de Santana do Livramento, para o Campeonato Gaúcho da Divisão Principal de 1981. Pena que o time não correspondeu, chegando ao fim do campeonato com a ingrata tarefa de decidir com o Juventude, de Caxias do Sul, quem cairia para a “Segundona” do ano seguinte. A S.E.R. São Gabriel chegou a essa situação depois de ter escalado de forma irregular o jogador Saraco, numa partida contra o São Borja e ter perdido os pontos. Em jogo extra, realizado no Estádio dos Plátanos, em Santa Cruz do Sul, o Juventude venceu por 3 a 1 e se manteve na Divisão Principal. A S.E.R. São Gabriel começou o campeonato com este time: Ricardo, Sérgio Vieira, Serginho, Caio Rocha e Miralha. Caio Flávio, Júnior (Paulo Molina) e Saraco. Batista, Cigano e Betinho. As boas atuações do centroavante Cigano chamaram a atenção de vários clubes. Além de Internacional, Caxias e São Paulo, o Palmeiras também mostrou interesse em contar com o goleador. O clube paulista estaria disposto a pagar Cr$ 15 milhões por seu passe. Quem acabou ficando com Cigano foi o Internacional, de Porto Alegre. Depois disso a S.E.R. São Gabriel nunca mais disputou a Divisão Principal do Campeonato Gaúcho. Andou sempre nas divisões inferiores e parando em determinados momentos. O retorno a elite gaúcha só aconteceu em 2001 já com a denominação de São Gabriel F.C.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

É CAMPEÃO - EUROPA


Os campeonatos nacionais espalhados pela Europa começam a definir seus campeões !!!

É CAMPEÃO - ÁFRICA


Os campeonatos nacionais espalhados pela África começam a definir seus campeões !!!

FERJ CONFIRMA 18 CLUBES APTOS A JOGAR A SÉRIE C 2018


A Federação de Futebol do Rio de Janeiro divulgou a lista com os 18 clubes aptos para a disputa da Série C do Campeonato Carioca. A Série C do Carioca tem previsão de início para o final do mês de julho, entretanto, a FERJ ainda realizará arbitral para confirmar a tabela da competição. Das 31 equipes que hoje pertencem à Série C, apenas 18 equipes conseguiram resolver pendências junto à entidade para se tornarem aptas a disputa do campeonato. Das 17 equipes que integraram a competição no ano passado, contando com o excluído Brasileirinho, seis delas já estão fora devido trâmites relativos à FERJ: Heliópolis, Itaperuna, Miguel Couto, Paraíba do Sul, Riostrense e União de Marechal Hermes. Além disso, seis equipes que configuram a lista são recém filiadas, caso do próprio Brasileirinho, que teve que se filiar novamente este ano, assim como o Atlético Carioca, os outros quatro são Ação, CAAC Brasil, Independente de Macaé e Mageense. O conselho arbitral definitivo ocorrerá na próxima 2ª feira dia 28.
** Publicado: 22/05
** Atualizado: 24/05

CAMPEONATO MINEIRO 2018 - 2ª DIVISÃO


Terminado o prazo de envio de toda a documentação, demonstrando o interesse na disputa do Campeonato Mineiro da Segunda Divisão 2018, a Presidência da Federação Mineira de Futebol (FMF) divulgou, nesta sexta-feira (18), ao final da tarde, a lista das equipes aptas a participarem do Conselho Técnico, a ser realizado na próxima sexta-feira (25). Dentre os clubes aptos a disputarem a competição, a grande novidade fica por conta do retorno do Passos Futebol Clube, equipe fundada em 1996 que estava desde 2001 licenciada do futebol profissional. A equipe tem, em seu histórico, o título da Segundona Mineira 1998. No Conselho Técnico, é provável que o Regulamento Específico da Competição (REC) seja modificado, mudando a fórmula de disputa,pois os clubes buscam a regionalização. De acordo com o calendário emitido pelo DCO no início do ano, a Segundona Mineira tem previsão de início em 05 de agosto e término em 27 de outubro.
** Publicado: 18/05 
**Atualizado: 24/05

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 26


O Sport Club Ruy Barbosa foi uma agremiação da cidade de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. O clube Alviverde foi fundado no dia 21 de outubro de 1915. No ano seguinte participou da Liga Sportiva Porto Alegrense (LSPA). O clube esteve presente em outras competições como o Campeonato de Porto Alegre de 1920 e 1931.

quarta-feira, 23 de maio de 2018

ATLÉTICO GUARAPARIENSE - POSSÍVEL NOVO CLUBE PROFISSIONAL NO ESPÍRITO SANTO


Clube Atlético Guarapariense, equipe da cidade de Guarapari no estado do Espírito Santo, tem a intenção de disputar a Série B do Campeonato Capixaba em 2019. O Atlético Guarapariense, fundado em 2000, pretende se profissionalizar ainda em 2018 para revelar jogadores e para recolocar o famoso balneário nacional de volta no cenário do futebol. A cidade de Guarapari está sem representante no futebol profissional desde 2008, quando o Guarapari Esporte Clube encerrou as suas atividades, clube que foi campeão capixaba, em 1987, e até disputou a Série B do Campeonato Brasileiro, em 1983.

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 25


O Rio Grandense Foot Ball Club é uma agremiação da cidade de Passo Fundo no estado do Rio Grande do Sul. O ‘Rubro-esperança’ (outras alcunhas: Time dos Ferroviários e Ferrinho), tinha como suas cores as mesmas da bandeira gaúcha: verde, amarelo e vermelho. O Riograndense foi fundado no dia 8 de agosto de 1925 por funcionários da Viação Férrea do Rio Grande do Sul, com o nome de Sport Club União. A mudança para Rio Grandense aconteceria no dia 13 de março de 1926, sem que tivesse disputado nenhuma partida. O Rio Grandense disputou sua primeira partida no dia 30 de maio de 1926 contra o Gaúcho, que acabou vencendo por 1 a 0, em 1941 participou do Campeonato Gaúcho, terminando em 4° lugar. O Riograndense foi extinto em 1966.  Nos primeiros anos, o Rio Grandense só aceitava como jogador quem fosse funcionário da viação férrea.

terça-feira, 22 de maio de 2018

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 24


O Grêmio Esportivo Renner foi uma agremiação da cidade de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. O Time dos Industriários foi Fundado em 27 de julho de 1931, pelos diretores e funcionários das antigas lojas A. J. Renner & Cia. (atuais Lojas Renner), de forma a dar atividades de recreação esportiva aos operários das fábricas. De início, o time oficialmente criado por Victor Gottschold, Avelino Amaral e Apolinário Corrêa começou a disputar suas partidas na Rua Frederico Mentz, no bairro Navegantes. No entanto, pouco mais de quatro anos depois de seu estabelecimento, o Renner inaugurou seu próprio estádio, o Tiradentes. O local foi construído em um terreno doado por Antônio Jacob Renner (proprietário das lojas que levavam seu nome), e não demorou para ganhar a alcunha de Waterloo, dada a dificuldade para que o clube fosse derrotado em suas dependências. E foi em uma dessas “batalhas de Waterloo” (Seu estádio ficou conhecido como “Waterloo”, porque ali o time da casa era quase imbatível) que o Alvirrubro inaugurou as dependências de seu campo, derrotando o Taquarense por 5 a 4 em 15 de novembro de 1935. No ano seguinte, um pouco mais ambicioso esportivamente, o Renner participou da criação da Liga Atlética Porto-Alegrense (LAPA), que organizaria uma das ligas municipais. Entretanto, o fracasso da competição porto-alegrense da LAPA fez com que o ‘Time dos Industriários’ deixasse de lado seu projeto inicial e integrasse a Associação Metropolitana Gaúcha de Esportes Atléticos (AMGEA), filiada à CBD (‘AMGEA cebedense’). Em campo, os primeiros resultados logo vieram. Em 1938, o Renner conquistou o Torneio Início e o Campeonato Municipal da AMGEA cebedense, disputado contra Novo Hamburgo, Foot-ball Club Porto Alegre, Sokol e Ferroviário entre junho e outubro. No primeiro turno do Municipal, venceu Novo Hamburgo (2 a 0), empatou com Ferroviário (2 a 2), e goleou Porto Alegre (8 a 3) e Sokol (5 a 0). No segundo turno, venceu o Novo Hamburgo (4 a 1), perdeu para o Ferroviário (1 a 0) e derrotou Porto Alegre (3 a 1) e Sokol (2 a 0). Com o título da Zona Centro do Rio Grande do Sul, o Renner garantiu a vaga para o Campeonato Gaúcho do mesmo ano, mas acabou derrotado nas semifinais pelo Riograndense (campeão da Zona Litoral) e ficou de fora da final. Em 1939, a AMGEA unificou seus dois ‘braços’, o Cebedense e o Especializado, inchando o Campeonato Municipal daquele ano. Entretanto, um acordo feito com a Associação Metropolitana de Esportes Atléticos (AMEA) do Rio de Janeiro em 1937 obrigou os gaúchos a colocarem apenas cinco clubes em sua primeira divisão. Fez-se então o Torneio Relâmpago, com 11 equipes de Porto Alegre disputando as vagas na elite. Originalmente, Internacional, Grêmio, Cruzeiro, Força e Luz, São José, Americano, Porto Alegre, Ferroviário, Renner, Sokol e Villa Nova disputaram o torneio, mas o Villa Nova abandonou a competição depois de três partidas. O Renner terminou na 4ª colocação, empatado com Cruzeiro e Americano, mas foi o lanterna do torneio desempate, sendo ‘rebaixado’ para a Série B de 1940, ao lado de São José, Porto Alegre, Ferroviário e Sokol. Ainda em 1939, o Grêmio faturou a Série A do Citadino, enquanto o Americano foi rebaixado e deu lugar ao São José, campeão da Série B da capital gaúcha. Em 1940, o Renner chegou a cogitar a mudança de seu nome para Industrial ou Navegantes, de forma a tentar melhor sorte nos estatutos da AMGEA. Sem sucesso, o clube deixou escapar o acesso para a Série A, ainda que a boa fase do ataque valesse ao atacante Caburé uma convocação para a seleção brasileira, que disputaria o Campeonato Sul-americano na Bolívia – Caburé jamais jogou, já que os clubes gaúchos se recusavam a ceder seus atletas. Naquele mesmo ano, precisando apenas de um empate para voltar à elite sul-rio-grandense, o Renner foi derrotado pelo Porto Alegre, e permaneceu nas divisões inferiores. Aliás, não permaneceu, porque sequer se inscreveu para disputar o acesso em 1941. Em 1942, com o início do profissionalismo no estado, o clube alvirrubro venceu a segunda divisão de Porto Alegre, mas não subiu. O acesso só veio em 1944, com mais um título da competição. Em 1947, o time foi quinto colocado do Citadino (que classificava seu campeão para o Campeonato Gaúcho, disputado contra os campeões de outras zonas regionais), ficando de fora da fase final (que contou com Internacional, Força e Luz, Cruzeiro e Grêmio); em 1948, ficou em sexto, à frente apenas do Nacional; em 1949, em sua melhor campanha até então, o Renner foi quarto, atrás de Grêmio, Inter e São José, e à frente de Nacional, Cruzeiro e Coríntians. Mais estável, o Renner se tornou presença constante na elite porto-alegrense. Em 1950, a equipe do Tiradentes ficou em terceiro lugar, atrás da dupla Gre-Nal. No ano seguinte, ficou com a quinta colocação. Em 1952, foi vice-campeão municipal, perdendo o título para o Colorado por apenas dois pontos – no caso, o Inter venceu sete e empatou três de seus dez jogos, enquanto o Renner venceu seis, empatou três e perdeu uma, exatamente um 3 a 0 fora de casa para o próprio Inter, na segunda rodada do primeiro turno, em 14 de setembro. Em 1953, mais uma vez o título municipal ficou com o Internacional, que superou Grêmio e Renner. A consagração, entretanto, viria em 1954, quando o Campeonato Citadino de Porto Alegre contou com clubes de São Leopoldo (Aimoré), Caxias do Sul (Flamengo e Juventude) e Novo Hamburgo (Floriano). Cruzeiro, Força e Luz, Grêmio, Internacional, Nacional e Renner – todos da capital – completaram o certame. Arrasador, o Time dos Industriários não perdeu nenhuma de seus 18 partidas, vencendo 15 e empatando três. Acabou campeão da cidade com três rodadas de antecipação, contabilizando 33 pontos (o Inter, vice, somou 27), e garantiu presença na disputa do título gaúcho. Com isso, em janeiro de 1955, o Renner iniciou a disputa do quadrangular que decidiria o título estadual do ano anterior. Pela frente, o clube porto-alegrense teria o Grêmio Esportivo Gabrielense, de São Gabriel (representante da Serra), o Brasil de Pelotas (representante do Litoral e do Sul) e o Ferro Carril de Uruguiana (representante da Fronteira). O Gabrielense desistiu do torneio antes da primeira rodada, tornando a disputa ainda mais centralizada entre Brasil e Renner. Tanto que, no primeiro turno do triangular, os dois times venceram o Ferro Carril (2 a 1 para o Brasil e 2 a 0 para o Renner) e empataram entre si (1 a 1 na terceira rodada). No segundo turno, os pelotenses venceram o Ferro Carril por 3 a 1, enquanto o Renner venceu por apenas 1 a 0. Em melhor fase, o Brasil viria a Porto Alegre para tentar a vitória sobre o Renner; porém, em mais uma batalha no Waterloo, os alvirrubros venceram por 3 a 0, com gols dois gols de Breno Mello e um de Pedrinho, e conquistaram – invictos – a maior glória de sua história. O time entrou em campo com Valdir de Moraes; Bonzo, Ênio Rodrigues, Orlando (depois Olavo) e Paulistinha; Leo e Ênio Andrade; Pedrinho, Breno Mello, Juarez e Joelcy, e ganhou tanta fama que ficou conhecido no Rio Grande do Sul como “Papão de 54”. As boas campanhas se repetiram nos Citadinos dos anos seguintes (que passaram a se chamar Divisão de Honra), mas sem levarem novamente o Renner às fases decisivas do Gauchão. Em 1955, o clube foi terceiro em Porto Alegre, atrás de Inter e Grêmio. Em 1956, foi vice-campeão, atrás dos gremistas. Em 1957 e 1958, foi novamente terceiro, desta vez atrás de Tricolores e Colorados – na segunda, fez o artilheiro da competição: Higino, com 17 gols, ao lado de Gessi (Grêmio) e Marino (Aimoré). Em todas as ocasiões, o Municipal de Porto Alegre contou com pelo menos dez clubes, sendo que a edição de 1958 contou com 11. Ainda em 1957, o clube disputou o Torneio Quadrangular do Rio de Janeiro, ao lado de Vasco, Fluminense e Bangu (que se sagrou campeão). Entretanto, ao final de 1958, a boa fase do Renner encontrou um adversário duro de ser combatido: as dívidas. Ao longo da década de 50, o clube vinha representando prejuízo para as lojas de A. J. Renner, que não pôde ser encoberto nem mesmo com o título estadual de 1954. Aí, ao final do Municipal de 1958, a empresa decidiu dar fim ao seu departamento de futebol profissional, encerrando o crescimento de um emergente dos gramados gaúchos.

segunda-feira, 21 de maio de 2018

CAMPEONATO PIAUIENSE 2018 - 2ª DIVISÃO


O Campeonato Piauiense de Futebol da 2ª divisão contará com 6 equipes. A fórmula de disputa será de turno único, sem jogos de returno, e pontos corridos. Os quatro primeiros avançam às semifinais, e os finalistas garantem o acesso à elite do futebol local em 2019. O regulamento e a tabela de jogos serão definidos no dia 28 de maio.

SUBINDO - EUROPA !!!


Os campeonatos nacionais espalhados pela Europa começam a definir aqueles clubes que alcançam o acesso !!!

É CAMPEÃO - AMÉRICA CENTRAL E CARIBE


Os campeonatos nacionais espalhados pela América Central e Caribe começam a definir seus campeões !!!

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 23


O Porto Alegre Futebol Clube é um clube de futebol brasileiro da cidade de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul. Foi fundado em 9 de janeiro de 2006. No ano de 2009, o clube sagrou-se campeão da Segunda Divisão do Campeonato Gaúcho, ganhando o direito de disputar a Primeira Divisão do Gauchão de 2010. O Porto Alegre foi fundado no dia 10 de junho de 2003, na zona sul de Porto Alegre, com o nome de Lami Futebol Clube, o qual possuía as mesmas cores da bandeira brasileira: verde, amarelo, azul e branco. Em seu primeiro ano de existência, o Lami participou do Campeonato Gaúcho da Terceira Divisão, sagrando-se campeão com uma rodada de antecedência. A partida do título ocorreu no dia 22 de outubro de 2003, na goleada do Lami por 5 a 0 sobre o Cruzeiro de Porto Alegre, com gols de Fabinho (duas vezes, terminando como artilheiro da competição), Claudemir, Cassius e Antônio. Treinada por Vacaria, a equipe marcou 32 gols e sofreu nove em dez jogos. Foram sete vitórias, dois empates e apenas uma derrota, justamente na última rodada, quando o Lami já havia assegurado o título. Na campanha em que o Lami subiu para segundona gaúcha, o clube da zona sul da capital ficou o campeonato inteiro invicto jogando em seus domínios, o clube mostrava grande força jogando em sua casa, o que rendeu o apelido de "matador", dado pelos próprios torcedores. A partir de 2006, o clube trocou de nome para Porto Alegre Futebol Clube e também alterou as cores, adotando o branco, o azul e o vermelho. É atualmente administrado pelo ex-jogador Assis, irmão de Ronaldinho Gaúcho. Em 2009, o clube conseguiu sua maior façanha: foi campeão da Segunda Divisão do Campeonato Gaúcho, garantindo vaga na elite do futebol gaúcho em 2010. Em 2009, o Porto Alegre disputou sua primeira competição interestadual. Foi a Recopa Sul Brasileira, convidado pela FGF. O tricolor do Lami acabou eliminado ainda na primeira fase pelo Joinville Esporte Clube. Em sua estreia na elite, o Porto Alegre enfrentou as dificuldades que se eram esperadas. Fez uma campanha muito abaixo das expectativas de seus torcedores e terminou o campeonato com 11 pontos na 14º posição entre 16 clubes. Na segunda temporada na 1ª divisão, o clube não conseguiu evitar o descenso, sendo rebaixado para a Segunda Divisão, porém em 2012 acabou não disputando nenhum campeonato , pois o clube se licenciou por tempo indeterminado.

domingo, 20 de maio de 2018

A CASA CAIU NA EUROPA !!!


A degola começou nos principais campeonatos europeus. Para alguns clubes o rebaixamento é mais que realidade !!!

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 22


O Nacional Atlético Clube foi um clube brasileiro de futebol, sediado na cidade de Porto Alegre, capital do Estado do Rio Grande do Sul. Suas cores eram vermelho e preto. O Nacional foi fundado no dia 19 de setembro de 1937, como Departamento Desportivo da Viação Férrea, por funcionários da Rede Ferroviária de Porto Alegre. Passou a se chamar Nacional Atlético Clube a partir de 1940. Seu primeiro estádio foi o campo da Rua Arlindo; com a má situação financeira do Fussball Club Porto Alegre, o Nacional adquiriu o Estádio da Chácara das Camélias por 178 mil cruzeiros, em 1942. O clube encerrou suas atividades em 1959, um ano após outros clubes tradicionais da cidade (Renner e Força e Luz), terem o mesmo destino.

sábado, 19 de maio de 2018

É CAMPEÃO - ÁSIA


Os campeonatos nacionais espalhados pela Ásia começam a definir seus campeões !!!

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 21


O Sport Club Internacional equipe da cidade de São Borja no estado do Rio Grande do Sul, foi fundado em 7 de julho de 1931, por Hélio Freire e pelo então capitão do Exército Serafim Dornelles Vargas, irmão de Getúlio Vargas. Os sócio-fundadores venderam uma tropa de gado para aquisição de um terreno, onde construíram o Estádio General Vargas, em homenagem ao general Manoel do Nascimento Vargas, avô de Serafim. O Alvirrubro campeão do Campeonato Gaúcho de Futebol Amador em 1954 e 1957 e da Série Vermelha em 1961. Já na esfera profissional, disputou o Campeonato Gaúcho da Terceira Divisão de 1967. Chegou a disputar o Campeonato Gaúcho da 1ª Divisão, em 1975 e 1976. O seu principal rival era o Sport Club Cruzeiro, clube da mesma cidade, com o qual realizava o clássico denominado Inter-Cruz. Essa rivalidade foi deixada de lado para que no dia 14 de janeiro de 1977, as duas forças de São Borja se unissem para criarem a Sociedade Esportiva São Borja.

sexta-feira, 18 de maio de 2018

CAMPEONATO PERNAMBUCANO 2018 - SÉRIE A2


Doze clubes participaram do Conselho Técnico do Campeonato Pernambucano Série A2 (2ª divisão), representados reunião pelos presidentes e representantes. Os 12 clubes apresentaram algumas sugestões para a disputa da Série A2. Existe ainda a possibilidade de Sport Recife, Santa Cruz e Náutico participarem com suas equipes sub-23. Na próxima sexta-feira (25), haverá outra reunião para definição da fórmula do campeonato e demais detalhes referentes ao Estadual.

MONTES CLAROS E.C. - NOVO CLUBE EM MINAS GERAIS


A cidade de Montes Claros vai voltar a ter representante no futebol profissional em 2018 com a "criação" do Montes Claros Esporte Clube, que vai disputar o Campeonato Mineiro da Segunda Divisão deste ano. Funcionando com um clube empresa, o projeto terá administração e sociedade de Andrey Souza, que também é gestor do MOC Vôlei, que definiu a inscrição da equipe no edital da competição. Nesta sexta-feira, 18, o clube teve seu registro oficialmente aceito pela Federação Mineira de Futebol, e vai participar do conselho técnico que define o formato de disputa da segundona. O clube que, sem justificativa, não comparecer ao conselho estará renunciando o direito de participação no campeonato. A equipe foi viabilizada através de uma parceria com o Montes Claros Futebol Clube, o Bicho, que tem registro na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e Federação Mineira, mas não disputa competições oficiais desde 2015, quando foi rebaixado de divisão. Desde o início do ano o projeto vem sendo discutido entre o gestor Andrey Souza e os responsáveis legais pelo Montes Claros Futebol Clube, a família Mocellin. Após o acerto, ficou definida a mudança no nome, mantendo, porém, a logomarca e cores, azul e preto. O conselho técnico com as equipes previamente aceitas à disputa da 2ª Divisão ocorre no dia 25 de maio. A previsão é que a Segunda Divisão do Mineiro comece no dia 5 de agosto, após a Copa do Mundo. Ao todo, 16 times estão na lista para o torneio; Montes Claros é o único do Norte de Minas. A última participação de uma equipe de Montes Claros em competição profissional ocorreu em 2015, exatamente com o Montes Claros Futebol Clube, o Bicho, que caiu para a Segunda Divisão. Neste meio tempo, várias equipes sondaram participação no estadual, mas os projetos não saíram do papel, tanto na cidade e também na região, como foi o caso do Pirapora.

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 20


O Sport Club Guarany clube da cidade de Rosário do Sul, no Estado do Rio Grande do Sul, foi fundado em 3 de fevereiro de 1909 e extinto em 1957. Suas cores eram preto e amarelo, seu primeiro estádio estava localizado na antiga praça nova, terreno ocupado hoje pela escola Padre Ângelo Bartelle e pelo ginásio Ervilhão. O melhor momento do clube foi no ano de 1928, quando foi campeão da Região Fronteira e obteve o direito de disputar o Campeonato Gaúcho da primeira divisão. Em 12 de outubro, enfrentou o também jalde-negro Bagé pelas semifinais da competição, onde o empate em três gols para cada lado obrigou a realização de uma partida extra. No jogo-desempate, disputado no dia seguinte, o Guarany foi eliminado ao ser derrotado por 2 a 0.

quinta-feira, 17 de maio de 2018

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 19


O Guarani Futebol Clube é um clube de futebol da cidade de Alegrete, no estado do Rio Grande do Sul. O clube - vice-campeão do Campeonato Gaúcho dos anos 1922 e 1931 - foi fundado no 20 de setembro de 1912 e em 20 de Fevereiro de 1973 se fundiu com o local rival Flamengo FC (não confundir com o CEF Flamengo) para estabelecer o novo clube Associação Atlética Alegrete. O jogador mais bem conhecido do Guarani é Moderato Wisintainer, participante na Copa do Mundo de 1930, que jogou pelo clube até 1920 e 1931-32. O Guarani de Alegrete foi vice-campeão estadual por duas vezes: em 1922 e em 1931, perdendo o título em ambos os anos para o Grêmio, em 1922 com resultado de 1×2 e em 1931 de 0×3. Filiado à Liga Alegretense de Futebol, Guarani foi 20 vezes campeão da cidade entre 1913 e 1953.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

É CAMPEÃO !!!!


Os campeonatos estaduais começam a chegar as suas fases decisivas e já temos muitos campeões no futebol brasileiro em 2018 !!!

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 18


O Grêmio Riograndense Futebol Clube foi um clube da cidade de Cruz Alta, no Estado do Rio Grande do Sul. Mandava seus jogos no estádio Alcides Brasil Silveira Borges, com capacidade para 3.000 pessoas. Clube fundado por ferroviários, o Riograndense conquistou o Campeonato Citadino de Cruz Alta por 13 vezes, e possuía rivalidade com o Guarany e com o Nacional.

terça-feira, 15 de maio de 2018

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 17


O Grêmio Sportivo Santoangelense, equipe da cidade de Santo Ângelo no estado do Rio Grande do Sul, foi o primeiro time da cidade a conquistar um título estadual. Esta proeza foi alcançada com a conquista do Campeonato Gaúcho de Amadores (Atual Série B) de 1952. O Grêmio Santoangelense foi fundado em 12 de outubro de 1921, tendo Clotário de Oliveira como seu primeiro presidente, sua primeira sede estava localizada na Avenida Brasil, migrando posteriormente para a zona sul de Santo Ângelo. Foi tricampeão citadino em três oportunidades: de 1924 a 1926, de 1943 a 1945 e 1950 a 1952. Fundiu-se em 1989 com o Elite Clube Desportivo e o Tamoyo Futebol Clube, originando a Sociedade Esportiva e Recreativa Santo Ângelo.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 16


O Grêmio Esportivo Força e Luz, equipe da cidade de Porto Alegre no estado do Rio Grande do Sul,  foi oficialmente fundado por José Macedo Jardim, Álvaro Britto, Honorino Passos, Salvador Crozitti, Rosendo Rosa, Bruno Borde, Christph Walter Miller, Carlos De Lorenzi, Dr. Ernesto John Aldsworth, entre outros, funcionários da Carris e da CEERG, em 08 de setembro de 1921. Nestes primeiros tempos seu campo localizava-se na rua da Glória. Logo, porém, o clube mudou-se para um campo na avenida Teresópolis. Com a unificação do futebol gaúcho, em 1923, o Força e Luz ingressou na 2ª divisão da APAD, ganhando o campeonato deste ano. No ano seguinte, disputou a Série A da 2ª Divisão, sendo vice no 1º quadro e campeão nos 2º e 3º quadros. Com o fim da 2ª Divisão da APAD em 1925, e o surgimento da APAF, o Força e Luz manteve-se fora das duas entidades, ausentando-se de competições oficiais por alguns anos. Em 1929 o Força e Luz arrendou a Chácara das Camélias, campo do Porto Alegre. No ano seguinte abandonou a APAD e ingressou na AMGEA, disputando a Série B e conseguindo o acesso para a temporada seguinte. Em 1931, além de disputar a Série A, o clube mudou-se para o campo da rua Arlindo. Em 1932, contando com onze filados, a AMGEA formou novamente duas séries, ficando o Força e Luz na Série B. Com a desistência dos demais participantes desta série, o Força e Luz foi proclamado campeão, e classificou-se para disputar com o São José, último colocado da Série A, uma vaga no campeonato seguinte, mas perdeu a série de melhor de três partidas. Em 1934 o Força e Luz voltou a disputar o campeonato, com a extinção da Série B. Ataque do Força e Luz em partida contra o Grêmio, imagem do jornal Correio do Povo O time do Força e Luz, de camisas listradas, em vitória sobre o Grêmio em 1940 Era o time da Carris (companhia de bondes de Porto Alegre). Sua camisa, branca com listras verticais vermelhas, valeu-lhe o apelido de "rajado". O "Forcinha", como também chegou a ser chamado, foi uma das equipes da cidade que, já na década de 1930, admitia jogadores de origem mais humilde em sua formação, incluindo alguns negros. Em 14/04/1935 inaugurou o Estádio da Timbaúva, perdendo para o Internacional por 5x1. Na Timbaúva foi disputada a primeira partida de campeonato brasileiro (de seleções) no Rio Grande do Sul. Obrigado a mudar de nome, durante a década de 1940, chamou-se EC Rio Branco e EC Corintians Portoalegrense, tendo posteriormente retomado o nome original. No início de 1959 o clube fechou as portas do departamento de futebol. Em 1972 voltou a jogar profissionalmente, disputando a 2ª divisão e a Copa Governador do Estado. Até 2006 o clube participou do campeonato de veteranos, mas nesse ano vendeu o Estádio da Timbaúva para a Companhia Zaffari que, até o momento não demoliu o local. Ainda em 2006 o clube protocolou junto à Federação Gaúcha de Futebol a sua extinção. Para não deixar a mística do nome morrer no esquecimento, a União Social dos Empregados da Carris (Usecarris) batizou, em 2009, o time de "Carris Força e Luz". O agora tricolor (azul, vermelho e branco) pretende disputar o campeonato de futebol amador de Porto Alegre.

domingo, 13 de maio de 2018

NOVO ESCUDO DA FEDERAÇÃO DO UZBEQUISTÃO

A Federação de Futebol do Uzbequistão alterou a nomenclatura oficial da entidade e agora chama-se Associação de Futebol do Uzbequistão. Junto a alteração do nome foi apresentado o novo escudo da entidade.

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 15


O Grêmio Atlético Militar General Osório, fruto da fusão em 1931 entre o FBC General Osório e o Grêmio Militar, foi um clube da cidade de Rio Grande no estado do Rio Grande do Sul. Foi campeão citadino em 1922 e disputou apenas uma única vez o campeonato Gaúcho em 1925, pela Zona 4 - Sul. Suas cores eram o verde, amarelo, azul e branco, as mesmas da bandeira nacional, devido ao fato de ser ligado ao Exército. Foi um dos quatro membros fundadores da Associação Rio-Grandense de Foot-Ball (ARGF) em 28 de julho de 1925, juntamente com São Paulo, Rio-Grandense e Rio Grande. O clube encerrou suas atividades em meados da década de 1930.

sábado, 12 de maio de 2018

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 14


O Futebol Clube Canoense foi um clube de futebol brasileiro da cidade de Canoas, no Rio Grande do Sul. O clube foi oficialmente fundado em 21/03/1933. Possuía forte ligação com a Aeronáutica, contando, em sua equipe e direção, com vários militares da Base Aérea de Canoas. Em 1942, juntamente com Esporte Clube Brasil, Sport Club Oriente, Grêmio Esportivo Niterói e Grêmio Esportivo Uruguaiana, foi um dos fundadores da Liga Canoense de Futebol. Ainda em 1942, foi campeão invicto da primeira edição do Campeonato Oficial da Cidade de Canoas. O título valeu ao Canoense a classificação para disputar a regional do Campeonato Gaúcho de Futebol, tendo então jogado contra o Minas de São Jerônimo, empatando no tempo normal e sendo derrotado por 5x3 após duas prorrogações. O Canoense sagrou-se ainda campeão da cidade nos anos de 1943, 1944 e 1946, além do vice-campeonato em 1945 e 1947. Atualmente é um clube social e chama-se Clube Cultural Canoense, possui equipes de futsal, sagrou-se tricampeão municipal na categoria master em 2013.

sexta-feira, 11 de maio de 2018

CLUBES EXTINTOS / INATIVOS NO RIO GRANDE DO SUL - PARTE 13


O Fussball Club Porto Alegre foi um clube de futebol brasileiro da cidade de Porto Alegre no Estado do Rio Grande do Sul. Encerrou suas atividades no ano de 1944. Após uma exibição feita pelos primeiros e segundo quadros do Sport Club Rio Grande, numa excursão em Porto Alegre em 7 de julho de 1903, um grupo de amigos resolveu criar um clube de futebol em Porto Alegre. O Fussball foi fundado no dia 15 de setembro de 1903, curiosamente na mesma data de criação do Grêmio FBPA. A primeira sede do Fussball estava situada na Rua Dr. Timóteo, ao lado do velódromo da “Sociedade Blitz”, em terreno doado pelo Dr. Luís Englert. O campo foi inaugurado no dia 9 de novembro de 1903, com um jogo interno, e foi utilizado pelo clube até 1911. O Fussball marcou presença no 1º jogo disputado entre equipes porto-alegrenses, no dia 6 de março de 1904, contra o Grêmio. O programa da partida, com escalações dos times e outros detalhes, foi impresso em português e em alemão. O Grêmio venceu a partida, apitada por Valdemar Bromberg, pelo placar de 1 X 0. Além disso, o Fussball disputou com o Grêmio a primeira competição interclubes disputada em Porto Alegre: a “Taça Wanderpreis”. Em 1908, o clube atravessou uma crise: a diretoria pediu a renúncia do presidente Oscar Campani e, em 17 de junho, foi eleito para o cargo Carlos Foernges Filho. Em 1910, o Fussball participou da fundação da Liga de Foot-Ball Porto Alegrense, disputando o campeonato municipal. Em 1914, juntamente com Grêmio, Americano e Manschaft Frisch Auf, fundou a Associação de Foot-Ball Porto Alegrense. Durante a Primeira Guerra Mundial, em 1916, o nome do clube foi mudado para Foot-Ball Club Porto Alegre. As cores também mudaram, trocando o alvinegro original pelo alviverde. Em 1923, inaugurou o maior estádio de Porto Alegre na época: a Chácara das Camélias, que foi depois utilizado pelo Nacional (um clube de ferroviários). O clube foi campeão por três vezes da “Taça Wanderpreis”, em 1904, 1908 e 1909; campeão do Torneio Início em 1923 e 1928; Torneio Lemos Bastos, 1923; Torneio Ruy Barbosa, 1923; Taça 14 de Julho, 1927 e Citadino de Porto Alegre, 1923.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

NOVO ESCUDO DO SERRANO F.C. (PE)


O Serrano Futebol Clube, equipe da cidade de Serra Talhada, no estado de Pernambuco está com um novo escudo. O Serrano está reativando seu Departamento de Futebol Profissional, e pretende disputar a Série A2 estadual em 2018.